quinta-feira, 3 de maio de 2012

Meu Necrológio

Estou fazendo um curso de filosofia e meu professor passou um exercício onde deveríamos fazer um "Necrológio".

O exercício é o seguinte, se você quiser também pode fazê-lo é muito simples.

Cada um de vocês vai supor que morreu, e que você é um amigo seu, uma pessoa que o conheceu e que irá escrever o seu necrológio. Um necrológio é uma breve narrativa de toda a sua vida. Você vai supor que durante a sua vida você realizou o melhor de si,e que todas as suas aspirações mais altas foram realizadas de alguma maneira.
Esse seu amigo vai então contar brevemente a sua vida como se estivesse escrevendo uma carta a um terceiro amigo:“ontem morreu fulano de tal, e durante a vida ele fez isso, e aquilo, e etc.” Ou seja, você vai contar sua vida ideal.

Isso tem de ser feito com extrema sinceridade e seriedade: você vai mostrar para você mesmo quem você quer ser. É claro que essa imagem muda ao longo do tempo; o seu projeto de vida vai sofrer muitas alterações,aprofundamentos, correções e, sobretudo, amputações. Mas isso não interessa. O que interessa é que ele vai ser a imagem que vai te orientar durante toda a sua vida.


Abaixo segue o meu como exemplo.

Morreu em 01 de maio de 2012 Eduardo Vieira Soares, vindo de uma família cristã, e fortemente influenciado até sua adolescência por sua tia, católica piedosa, que o ensinou o caminho do amor e da bondade.

Durante sua vida serviu ao próximo, amou aqueles que o cercavam e pregou esse amor com tudo que era. Em cada ato que realizava o fazia na dependência de DEUS e, com uma fé inabalável, proclamou a existência desse DEUS a qual serviu a tempo e fora de tempo.

Realizou o máximo que pode para sua amada Igreja, serviu a comunidade carente local em que vivia sendo um exemplo e modelo de comportamento e vida, além de ter sido um profissional extremamente qualificado em seus trabalhos no campo técnico.Viveu a verdade, não se deixou abater pelas adversidades físicas, psicológicas, espirituais, financeiras, sempre lutando com muito trabalho, não apelou para os amigos políticos e nem se corrompeu pelo dinheiro fácil, viveu o invisível valorizou o eterno e não o passageiro, buscou a Glória imortal- incorruptível-, ao invés da ilusória glória terrena que tanto ilude aqueles que vivem em prol do vil-metal.

Sem dúvida um exemplo notável que realizou muito em troca de uma recompensa não terrena, guardada nos céus, preparada pelo autor da vida que tanto foi espelhado através de sua vida aqui na terra.

Foi criado sobre a esteira da moral cristã tradicional e defendeu esses princípios com todo afinco e conhecimento tácito e experiencial.

Sua vida será marcada em nossas memórias e nos trará um modelo de vida a ser seguido por aqueles que tiverem a coragem.


Espero que tirem bom proveito.

Abraços
Postar um comentário